quinta-feira, 21 de julho de 2011

Quem trai mais os homens ou as mulheres.

 


Já foi a época em que a infidelidade era muito mais relacionada aos homens, agora as traições também são atribuídas ao sexo feminino. Tornou-se mais fácil ter um caso extraconjugal com a liberdade que as mulheres adquiriram ao longo da história.

Acho que atualmente não dá mais para saber quem trai mais, pois a liberdade está ai e muitos escolhem a liberdade do que um compromisso sério e duradouro com apenas uma pessoa. Muitas pessoas traem porque não tem vergonha na cara ou então porque não sentem mais nada pelo parceiro só que não sabe como chegar e terminar. Esta segunda opção normalmente acontece quando estamos casados, pois com o passar do tempo tudo vira uma rotina e há uma enorme distância entre os dois, onde o homem acha que não precisa mais conquistar a mulher e a mulher acha que não precisa mais se arrumar e só usa roupas que a deixa feia e com isso conseqüentemente o seu marido vai procurar alguém que o atraia e com isso desencadeia a traição. 

Outra coisa que ajuda e muito o casal trair um ao outro são os filhos, os quais não dão um minuto de sossego para os pais ficarem juntos. Mas, cada ser humano tem o seu jeito de ser, pois algumas se cuidam até demais que nunca tem tempo para o marido e outras nem sabe mais o que é vestir uma roupa bonita e os homens alguns só sabem beber e sair com os amigos e jogar futebol e ficar gordo. Todo mundo sente prazer em alguma coisa e quando vê que aquilo não acontece mais com ele vai à procura de alguém que lhe dê atenção e ao mesmo tempo preencha todo o vazio que está sentindo ao seu lado. Esse sentimento é comum tanto no homem quanto na mulher. Antigamente quem mais traia eram os homens, porém as mulheres amadureceram e também estão dando o troco em seus maridos, os quais colocam a culpa de todos os problemas em cima delas. A culpa é dos dois que não sentaram e conversaram para ver o que teriam que mudar.

 A traição pode acontecer por perda de sentimento ou então por não conseguir obter o prazer com a sua mulher. Quando há a perda de sentimentos o mais indicado é não ir e trair e sim conversar e pedir o divórcio mais sem brigas, afinal vocês se amaram por muito tempo. E quando o marido ou a mulher só trairão porque não estava se sentindo completo não significa que ele não queira mias nada com a família, ele só procurou algo que preenchesse o vazio que estava sentindo. É algo muito complicado porque ninguém quer ser traído, mas quando estamos em uma situação que o prazer fala mais alto esquecemos-nos do mundo e mergulhamos de cabeça pensando que ninguém jamais vai descobrir, porém a mentira tem perna curta e sempre por mais tarde que isso aconteça alguém descobre. 
                                           
Fonte: www.mulhersexofragil.com.br











Criança vê, criança faz!

  

O que decidimos ensinar aos nossos filhos vai além das palavras, os mais eficazes aprendizados se dão pelo exemplo. Tudo o que fazemos e dizemos tem sempre um olhar observador e um ouvido atento, por mais que nós não percebamos. Filhos são observadores sutis. Seus filhos podem não falar nada, mas certamente estarão tirando suas conclusões. Todas as experiências observadas ficam impressas na mente. Crenças, valores e exemplos apreendidos vão estar presentes no momento em que estiverem em situações semelhantes.

Nós pais, somos os primeiros modelos de vida para nossos filhos e é através dele que as crianças procuram entender o mundo. É de onde vão tirando as suas conclusões do que é certo/errado, bom/ruim, o que podem ou não fazer. Não adianta nada você falar para seu filho que ele não pode mentir se ao tocar o telefone você diz: “Se for para mim diga que eu não estou.” Os exemplos falam mais do que as palavras. “As crianças fazem o que vêem fazer, não o que lhes dizem para fazerem”.

Um psicólogo chamado Alfred Bandura pesquisou um processo que ficou conhecido como “Aprendizado Social”. Ele separou dois grupos de crianças e as levou para uma sala repleta de brinquedos variados, entre eles um joão-teimoso. O primeiro grupo brincou à vontade com os brinquedos, inclusive com o joão-teimoso. O segundo grupo, antes de entrar na sala, assistiu a um vídeo em que uma criança começava a brincar com o joão-teimoso e levava uma bronca enorme de um adulto, que lhe dizia para não tocar no boneco. Depois de assistirem ao filme, as crianças foram conduzidas para a mesma sala de brinquedos do primeiro grupo. Bandura notou que as crianças brincaram à vontade com os brinquedos menos com o joão-teimoso, que ninguém tocou. Ou seja, ninguém lhes disse para não brincar com o boneco, mas viram o que aconteceu com a criança que se meteu a fazê-lo e acharam melhor procurar outro brinquedo.

Esta pesquisa é um bom referencial de que as crianças não aprendem só com a própria experiência, mas especialmente com a experiência de outros.

É de extrema e vital importância estarmos atentos aos ensinamentos que queremos passar para nossos filhos, pois as nossas crenças originais permanecem conosco e continuam a influenciar nosso modo de ser e pensar durante anos.
O vídeo acima foi produzido por uma ONG Australiana para uma campanha sobre o tema: Criança vê, criança faz!

Fonte: 
lila-conversandocomospais.blogspot.com



"Ensina a criança no caminho em que deve andar, e, ainda quando for velho, não se desviará dele". Provérbios 22:6

Tema Viagem. Imagens de tema por Galeries. Tecnologia do Blogger.

Pesquisar este blog