sábado, 31 de março de 2012

Estação ou uma Vida Inteira.


Depois de ler isto, você vai saber a razão pela qual isto foi enviado a você. Pessoas entram na sua vida por uma "Razão" Quando você percebe qual deles é, você vai saber o que fazer por cada pessoa. Quando alguém está em sua vida por uma "Razão" ...é, geralmente, para suprir uma necessidade que você demonstrou.

Eles vêm para auxiliá-lo numa dificuldade, te fornecer orientação e apoio,ajudá-lo física, emocional ou espiritualmente. Eles poderão parecer como uma dádiva deDeus, e eles são!

Eles estão lá pela razão que você precisa que eles estejam lá. Então, sem nenhuma atitude errada de sua parte, ou em uma hora inconveniente, esta pessoa vai dizer ou fazer alguma coisa para levar essa relação a um fim.

Ás vezes, essas pessoas morrem. Ás vezes, eles simplesmente se vão. Ás vezes, eles agem e te forçam a tomar uma posição. O que devemos entender é que nossas necessidades foram atendidas, nossos desejos preenchidos e o trabalho deles, feitos.

As suas orações foram atendidas. E agora é tempo de ir.
Quando pessoas entram em nossas vidas por uma "Estação", é porque chegou sua vez de dividir, crescer e aprender.

Eles trazem para você a experiência da paz, ou fazem você rir. Eles poderão ensiná-lo algo que você nunca fez. Eles, geralmente, te dão uma quantidade enorme de prazer. Acredite! É real Mas somente por uma "Estação".

Relacionamentos de uma "Vida Inteira" te ensinam lições para a vida inteira: coisas que você deve construir para ter uma formação emocional sólida.

Sua tarefa é aceitar a lição, amar a pessoa, e colocar o que você aprendeu em uso em todos os outros relacionamentos e áreas de sua vida. É dito que o amor é cego, mas a amizade é clarividente
Fonte:www.antidrogas.com.br


sexta-feira, 30 de março de 2012

A falta de perdão é como lixo interno .


Para muitos de nós é difícil perdoar, porque isso implica tocar nas feridas e mexer em situações dolorosas, implica abrir o coração e remexer no "lixão" de nossa vida. Seria mais fácil não tocar em nada disso! Mas, imagine conservar uma lata cheia de lixo durante um mês dentro de casa?! Ninguém iria agüentar o mau cheiro e a contaminação.

 O mesmo vale para nossa vida espiritual. Jogar fora o "lixo" causado pela falta de perdão significa colocá-lo aos pés da cruz de Cristo, para que possa ser queimado. O lugar desse lixo não é no seu coração, é aos pés da cruz de Jesus Cristo! 

Esse convite ao perdão não é uma imposição. Você poderia dizer: "Além de tudo pelo que eu já passei, ainda sou obrigado a perdoar?" Deus quer lhe dar a graça de retirar de seu coração tudo que está estragado. Lembre-se: Deus é amor! Somos a imagem e semelhança d'Ele, por isso, dentro de nós só devem ficar sentimentos bons, como o amor e tudo o que nos ajuda a amar.


 Aquilo que é contrário ao amor é tóxico e venenoso, pois somos feitos para o amor; não para o ressentimento, o ódio, a mágoa, o pecado e a falta de perdão.

Por isso, é preciso viver o amor em plenitude. E para vivê-lo assim é preciso ter fé e confiança em Deus. Peça essa graça ao Espírito Santo. 



(Monsenhor Jonas Abib)




Um dia descobrimos... Mário Quintana



Um dia descobrimos que beijar uma pessoa para esquecer outra, é bobagem. Um dia descobrimos que beijar uma pessoa para esquecer outra, é bobagem. Um dia descobrimos que beijar uma pessoa para esquecer outra, é bobagem. Um dia descobrimos que se apaixonar é inevitável... 

Um dia percebemos que as melhores provas de amor são as mais simples... 

Um dia saberemos que ser classificado como "bonzinho" não é bom... 
Um dia perceberemos que a pessoa que nunca te liga é a que mais pensa em você... 
Um dia saberemos a importância da frase: "Tu te tornas eternamente responsável por aquilo que cativas..." 

Um dia percebemos que somos muito importante para alguém, mas não damos valor a isso... 
Um dia percebemos como aquele amigo faz falta, mas ai já é tarde demais... 
Enfim... 

Um dia descobrimos que apesar de viver quase um século esse tempo todo não é suficiente para realizarmos 
todos os nossos sonhos, para beijarmos todas as bocas que nos atraem, para dizer o que tem de ser dito... 

O jeito é: ou nos conformamos com a falta de algumas coisas na nossa vida ou lutamos para realizar todas 
as nossas loucuras...
Quem não compreende um olhar tampouco compreenderá uma longa explicação.



quinta-feira, 29 de março de 2012

Pode invadir... M. Medeiros





Pode invadir...
Ou chegar com delicadeza
Mas não tão devagar que me faça dormir
Não grite comigo, tenho o péssimo hábito de revidar
Acordo pela manhã com ótimo humor
Mas ... permita que eu escove os dentes primeiro
Toque muito em mim
Principalmente nos cabelos
E minta sobre minha nocauteante beleza.


Tenho vida própria
Me faça sentir saudades
Conte algumas coisas que me façam rir
Viaje antes de me conhecer
Sofra antes de mim para reconhecer-me
Acredite nas verdades que digo
E também nas mentiras, elas serão raras e sempre por uma boa causa.


Respeite meu choro
Me deixe sozinha
Só volte quando eu chamar
E não me obedeça sempre que eu também gosto de ser contrariada
Então fique comigo quando eu chorar, combinado?
Seja mais forte que eu e menos altruísta!
Não se vista tão bem...


Gosto de camisa para fora da calça,
Gosto de braços
Gosto de pernas
E muito de pescoço.
Reverenciarei tudo em você que estiver a meu gosto: boca, cabelos, cheiros, olhos, mãos...


Leia, escolha seus próprios livros, releia-os.
Odeie a vida doméstica e os agitos noturnos.
Seja um pouco caseiro e um pouco da vida
Não goste tanto de boate que isto é coisa de gente triste.
Não seja escravo da televisão, nem xiita contra.


Nem escravo meu
Nem filho meu
Nem meu pai.
Escolha um papel para você que ainda não tenha sido preenchido e o invente muitas vezes.
Me enlouqueça uma vez por mês
Mas me faça uma louca boa
Uma louca que ache graça em tudo que rime com louca: loba, boba, rouca, boca 


A Travessia da Vida.





As oportunidades da vida são como as 


brisas nas noites quentes de verão, elas 


vêm e vão e precisamos aproveitar cada 


minuto quando estão presentes para nos 


preparar para o depois. E quantas vezes 


elas chegam, vemos, somos conscientes, 


mas não fazemos nada.





Duvidamos, simplesmente, de nós!São 


nossas barreiras emocionais, a 


insegurança, o medo, a falta de fé, que 


paralisam nossas pernas. Mas Deus jamais 


nos diz para atravessar sem que Ele 


mesmo nos forneça os meios para chegar 


do outro lado. Se não vamos, é porque 


confiamos demais nesse nosso lado humano 


e de menos na nossa parte que mais se 


parece com Deus, nosso lado espiritual.



A guerra que se estabelece na nossa 
cabeça nos momentos de escolha é muito 
comum e todo mundo passa por isso, sem 
exceção. Há um lado que nos impele de ir 
em frente e o outro que nos enche de 
dúvidas. "E se?" "E se não der certo?" 
"E se eu não for capaz?" "E se não for 
isso?"



As desculpas que nos achamos para nos 
fazer desanimar são quase sempre mais 
evidentes e, não raro, muitos se apegam 
a elas e param no meio do caminho, ou 
seguem outra direção, como aconteceu com 
Jonas. 


Penso em Moisés, quando Deus pediu que 
fosse libertar o povo de Israel. Ele 
duvidou e tentou se desculpar dizendo 
que tinha problemas para falar. Mas o 
Senhor, com Sua infinita sabedoria, 
retrucou que ele não estaria sozinho. E 
não estava mesmo. E foi, libertou o 
povo, o conduziu.



Cumpriu assim a sua parte e tornou-se 
parte da história da humanidade. É nosso 
bom relacionamento com Deus que faz a 
diferença. Como no amor ou amizade, onde 
quanto mais próximos estamos de uma 
pessoa, mais acreditamos nela, mais 
confiamos. 


Quando as oportunidades baterem à sua 
porta, antes de dizer não com um monte 
de desculpas que nem você mesmo 
acredita, olhe para o alto. Se uma 
vozinha responder dentro do seu coração 
e sua alma se encher de paz, é que você 
fez a boa escolha.



Vá, então, em frente! Não espere ver 
todas as soluções de uma vez só, as 
flores nascem cada uma a seu tempo e há 
frutos para todas as estações. Deus, que 
olha por você, vai plantar no seu 
caminho, vai te dar coragem, vai te 
motivar e te empurrar quando for 
preciso. Ele nunca nos prometeu um 
caminho sem dificuldades, um mundo sem 
aflições, mas nos disse para termos bom 
ânimo.



Moisés, guiado por Deus, atravessou o 
mar. Não há nenhuma razão 
para que não atravessemos a vida como 
mais que vencedores.



Autor Desconhecido.

terça-feira, 27 de março de 2012

Entenda a diferença entre depressão e tristeza.



Os sintomas da doença podem aparecer ou desaparecer de maneira sutil e quase imperceptível. A doença do século, muitos vezes é confundida com um sentimento de tristeza, e entender as diferenças é fundamental para o diagnóstico precoce.

É só tristeza? 

A tristeza é um sentimento momentâneo, considerado saudável e até importante pelos médicos. Ajuda na elaboração das perdas, ou sofrimentos ocasionais. As pessoas atingidas pela ocorrência de perdas, do emprego ou de entes queridos, atravessam uma fase de sofrimento e angústia, que pode se prolongar por um determinado período de tempo (cerca de 2 meses), mas esse quadro vai se atenuando e paulatinamente a vida vai retomando o ritmo normal. 

Agora, se a tristeza não passa, e começam a surgir sentimentos de apatia, indiferença, desesperança, falta de perspectivas ou prazer pela vida, saiba que esse é um sintoma claro de depressão. Os sintomas podem aparecer ou desaparecer de maneira sutil e quase imperceptível, mas é importante saber que eles podem voltar. A depressão é doença séria e assim deve ser tratada.

Os riscos da depressão: 

Em primeiro lugar, depressão não é um estado de tristeza profunda nem desânimo, preguiça, estresse ou mau humor. A depressão, enquanto evento psiquiátrico é algo bastante diferente: é uma doença como outra qualquer que exige tratamento. Mesmo assim, podemos considerar a depressão como 
natural período de transição. São tempos de mudanças e crescimento, épocas que antecedem novos horizontes de amadurecimento do ser em constante processo de evoluçãoPara entendermos melhor essa diversidade de sintomas depressivos, vamos considerar que, entre as pessoas, a depressão seria como uma bebedeira geral, onde cada pessoa alcoolizada ficasse de um jeito: uns alegres, outros tristes, irritados, engraçados, dorminhocos, libertinos... A única coisa que todos teriam em comum é o fato de estarem sob efeito do álcool, todos estariam tontos, com os reflexos diminuídos, etc. Na depressão também. Cada personalidade se manifestará de uma maneira.

Na verdade, ninguém sabe o que um deprimido sente, só ele mesmo e talvez quem tenha passado por isso. Nem o psiquiatra sabe: ele reconhece os sintomas e sabe tratar, mas isso não faz com que ele conheça os sentimentos e o sofrimento do seu paciente.




Pode ser leve, moderada ou grave 

depressão encontra-se classificada no Grupo das Doenças Afetivas, ou seja, aquelas que tem uma evolução cíclica, em que se alternam períodos depressivos com fases de absoluta sanidade. Ao contrário do que se possa pensar, essa não é uma doença moderna. Hipócrates, considerado o pai da Medicina, descreveu seis doenças mentais, dentre elas a depressão, há aproximadamente 400 AC. 

Os sintomas podem se manifestar de uma forma branda, e é comum o paciente procurar um clínico-geral, acreditando estar com falta de vitaminas ou alguma doença mais grave. Outros, simplesmente acreditam ser apenas mais uma "fase ruim" e não procuram ajuda, agravando ainda mais o problema. Indivíduos apresentando quadros leves, raramente procuram  tratamento.



Ao falarmos sobre a tristeza, precisamos definir os tópicos que distinguem este sentimento da depressão.

- A tristeza é um sentimento intrínseco ao ser humano. Todas as pessoas estão sujeitas a tristeza. É a ausência de satisfação pessoal quando o indivíduo se depara com sua fragilidade.

- A depressão é a raiva e a vingança digerida na pessoa. Na prática, é uma tentativa de devolver para os outros, o que existe de pior em si.

- A tristeza não chega aos limites citados na situação depressiva. Pelo contrário, é uma ferramenta valiosa para avaliação das metas de vida. Na infância, o modo de encarar a tristeza será definitivo para estabelecer a personalidade adulta. 

- A tristeza é a recusa. A dificuldade em aceitar o "não" torna-se desmotivante e abala a auto-estima. Por outro lado, a rejeição e a incapacidade frente a alguns obstáculos leva a quadros mais sérios e profundos da tristeza. 

Agora que já sabe sobre a diferença da tristeza e depressão, evite rotular ou mesmo se auto-depreciar com pequenos problemas do cotidiano.  





Juliano Figueiredo
Massoterapeuta bioenergético
foto especialista

segunda-feira, 26 de março de 2012

A Voz Do Silêncio... Martha Medeiros.





Imediatamente me veio à cabeça situações

em que o silêncio me disse verdades terríveis,
pois você sabe, o silêncio não é dado a amenidades.
Um telefone mudo. Um e-mail que não chega.
Um encontro onde nenhum dos dois abre a boca.

Silêncios que falam sobre desinteresse,
esquecimento, recusas.


Quantas coisas são ditas na quietude,
depois de uma discussão.
O perdão não vem, nem um beijo,
nem uma gargalhada
para acabar com o clima de tensão.

Só ele permanece imutável,
o silêncio, a ante-sala do fim.

É mil vezes preferível uma voz que diga coisas
que a gente não quer ouvir,
pois ao menos as palavras que são ditas
indicam uma tentativa de entendimento.


Cordas vocais em funcionamento
articulam argumentos,
expõem suas queixas, jogam limpo.
Já o silêncio arquiteta planos
que não são compartilhados.
Quando nada é dito, nada fica combinado.

Quantas vezes, numa discussão histérica,
ouvimos um dos dois gritar:
"Diz alguma coisa, mas não fica
aí parado me olhando!"

É o silêncio de um, mandando más notícias
para o desespero do outro.


É claro que há muitas situações
em que o silêncio é bem-vindo.
Para um cara que trabalha
com uma britadeira na rua,
o silêncio é um bálsamo.

Para a professora de uma creche,
o silêncio é um presente.
Para os seguranças de um show de rock,
o silêncio é um sonho.

Mesmo no amor,
quando a relação é sólida e madura,
o silêncio a dois não incomoda,
pois é o silêncio da paz.
O único silêncio que perturba,
é aquele que fala.

E fala alto.

É quando ninguém bate à nossa porta,
não há emails na caixa de entrada
não há recados na secretária eletrônica
e mesmo assim, você entende a mensagem.


Pior do que a voz que cala, é um silêncio que fala, simples, rápido! E quanta força!   

Como salvar um amor desgastado e reinventar uma nova relação?



Muitos casais ficam juntos, mas não se sentem felizes e realizados. Reclamam que a relação é fria, que se sentem decepcionados com o casamento e que não sabem o que fazer para salvarem os anos de convivência... Realmente, não é fácil curar uma relação desgastada por discussões, brigas e desconfianças. Situações mal resolvidas são poderosos venenos contra o amor. 

O tempo vai passando e a sensação que a maioria dos casais tem é a de que tudo de bom que havia no início da relação foi se perdendo com a falta de diálogo, de compreensão, de companheirismo, respeito e confiança. Infelizmente, a ausência de cada um desses fatores realmente pode matar o amor.

No entanto, ao contrário do que muitos pensam, é possível não deixar o relacionamento se desgastar e enfraquecer. Existem também maneiras de recuperar o amor e cuidar para que ele ressurja com toda a força inicial. Mas é preciso disponibilidade e vontade. É preciso querer com o coração, querer de verdade!

Em primeiro lugar, é essencial que pelo menos um dos dois – ou os dois – esteja disposto a mudar. Quando um muda, a relação já ganha muito e o outro, quase sempre, também decide mudar, revendo comportamentos, pensamentos e atitudes. É preciso dar uma chance ao outro, sem insistir naquelas velhas frases: ele(a) não tem mais jeito, nunca vai mudar ou já estou cansada(o) de tentar; não adianta!. 

Será mesmo que você já tentou de verdade? Será que já mudou a si mesmo, passou a tratar a pessoa que vive com você com mais carinho, mais atenção, mais paciência, mais respeito e mais doçura? Por quanto tempo tentou? Muitos casais tentam, mas quando um dos dois perde as estribeiras e fica nervoso, o outro não sustenta sua tentativa e se sente imediatamente impelido a revidar, a dar o troco. Aí, realmente não dá certo. É preciso insistir, manter-se firme em seu desejo de transformar a sua relação, na sua vontade de ser feliz ao lado da pessoa com quem quer viver.

Além disso, o primeiro passo para reverter qualquer situação que não está lhe agradando, é olhar para si mesmo. Descubra o que você pode mudar em você mesmo, tente perceber o que você está fazendo para que esta situação esteja como está. Desista de acreditar que o outro é sempre o culpado, pois você não pode mudar o outro, mas pode (e deve) mudar a si mesmo para que consiga viver a relação que deseja.

Eu sei, não é fácil, mas vale a pena, pois a maioria dos casais que decide se reconquistar, termina obtendo sucesso e enxergando uma nova chance de se sentir parte da vida um do outro. Muitas vezes, procurar ajuda de um terapeuta familiar, grupos de casais ou qualquer núcleo que promova o esclarecimento da difícil arte da convivência pode ser essencial nesta tentativa. 

Porém, o ideal seria que os casais não esperassem a relação chegar à beira do insuportável para somente depois decidirem reavaliar seus comportamentos. O melhor seria se cada um conseguisse enxergar suas limitações e seus erros desde o início da relação e pudesse evitar as discussões desnecessárias ou o silêncio ameaçador e distanciador. Que entendessem, de uma vez por todas, que o amor precisa ser alimentado todos os dias, desde o começo, com elogios, declarações, surpresas, beijos, muitos beijos, abraços, verdade, transparência e muito carinho. Essa é a base da felicidade conjugal. Mas precisa ser construída todos os dias, sempre! Uma vez abandonada, o amor perde o brilho, perde a força e... desmorona!

Portanto, se você já encontrou o seu grande amor ou ainda está à espera deste encontro, não se deixe envenenar pelas pequenas coisas. Quando sentir vontade de criticar algum comportamento da pessoa amada, foque sua atenção em algo que ela tenha feito de positivo e somente depois, com a certeza de que esta pessoa não é feita somente de defeitos, converse sobre o que tem lhe incomodado. 

Construa sua relação sobre os acertos e não sobre os erros, pois aquele que está sempre disposto a apontar os erros, não encontra espaço para demonstrar o amor! 



Rosana Braga 
É Palestrante, Jornalista, Consultora em Relacionamentos   

 

domingo, 25 de março de 2012

Tipos de aborto e suas consequências.


 Um fotógrafo que fez a cobertura de uma intervenção cirúrgica para espinha bífida, realizada dentro do útero materno num feto de apenas 21 semanas de gestação, numa autêntica proeza médica, nunca imaginou que a sua máquina fotográfica iria registar talvez o grito a favor da vida mais eloquente conhecido até hoje.

METÓDOS DE ASSASSINATO.


Esse tipo de morte é a mais fria. Consiste em esquartejar o feto ainda dentro do ventre da mãe. Como qualquer ser humano, ele sente dor e medoUm feto de apenas um mês ao ser perseguido por algum objeto introduzido dentro do útero tenta desesperadamente fugir, mas não tem escapatória. Seus movimentos e a aceleração de seu pulso são sinais não só de que está vivo como também de seu instinto de sobrevivência.




A foto mostra partes de um feto. Nesse tipo de aborto, o “médico” suga o bebê e tudo que o envolve, despedaçando-o. Uma outra maneira de deixá-lo nesse estado é dando à mãe um remédio, muitas vezes vendido em farmácias, que fará o útero expelir tudo o que estiver em seu interior.




Esta é uma das mais lentas e dolorosas maneiras de morrer: o abortista retira o líquido amniótico de dentro do útero e coloca uma substância contendo sal. Em algum tempo, a criança morrerá, será retirada de sua mãe e, finalmente, jogada no lixo.




Esse método de assassinato é chamado de “parto parcial”. Nesse caso, puxa-se o bebê para fora, deixando apenas a cabeça dentro, já que ela é grande demais. Daí, introduz-se um tubo em sua nuca, que sugará a massa cerebral, levando-a à morte.

DOIS TIPOS DE ASSASSINATO:





Sucçao e aspiração:


Liga-se esta ponta ao aparelho de sucção, no qual irá evacuar completamente os produtos da concepção. A sucção afrouxa delicadamente o tecido da parte uterina e aspira-o, provocando contrações do útero, o que diminui a perda de sangue. Com a anestesia local, usa-se uma injeção de Ergotrate para contrair, o que pode causar náusea e vômitos.


Curetagem:

Este tipo de aborto é muito perigoso, por que pode ocorrer perfuramento da parede uterina, tendo sangramento abundante. Outro fator importante é que se pode tirar muito tecido, causando a esterilidade. Na curetagem é feita a dilatação do colo do útero e com uma cureta (instrumento de aço semelhante a uma colher) é feita a raspagem suave do revestimento uterino do embrião, da placenta e das membranas que envolvem o embrião.

CONSEQUENCIAS


Fala-se muito de aborto, poucas vezes, porém, se fala de suas complicações, seus danos e conseqüências. Por essa razão, apresentamos estas observações, para sua informação e reflexão.


  
Não soube do mundo....Renato de Azevedo

Não brincou com elas
nem soube que havia.
Não roubou maçãs,

não ouviu os grilos,

não apanhou rãs

nos charcos tranquilos.


Nunca teve um cão,

vadio que fosse,

a lamber-lhe a mão

à espera do doce.

Não soube que há rios

e ventos e espaços.



E invernos e estios.

E mares e sargaços.

E flores e poentes.

E peixes e feras

-as hoje viventes

e as de antigas eras.

Não soube do mundo.

Não viu a magia.

Num breve segundo,

foi neutralizado

com toda a maestria.


Com as alvas batas,

máscaras de entrudo,

técnicas exatas,

mãos de especialistas

negaram-lhe tudo

( o destino inteiro…)

 porque os abortistas
nasceram primeiro. 

Do Blog: reporterdecristo.com 


  

Tema Viagem. Imagens de tema por Galeries. Tecnologia do Blogger.

Pesquisar este blog