quarta-feira, 20 de agosto de 2014

Cores de cabelos que Rejuvenescem.


DICAS DE COMO ESCOLHER A COR DE CABELO IDEAL PARA PARECER ALGUNS ANOS MAIS NOVA…..

Assim como a maquiagem com tons muito fortes pode deixar a mulher com a aparência mais velha, o cabelo em cores muito fortes e escuras também pode ter o mesmo efeito. Por isso, é importante escolher muito bem a cor que será usada antes de tingir as madeixas se a intenção for manter uma aparência mais jovial.
Uma dica para não errar é considerar a cor da sua pele. Cada tom de pele fica melhor com um tom de tintura para cabelo, por isso faça testes para saber o que combina melhor antes de fazer uma mudança radical.

ESCOLHENDO A COR IDEAL

Se você optar por uma cor avermelhada, procure usar um tom que fique entre o ruivo e o marrom. O ideal é usar uma cor mais fechada e menos chamativa. Evite os vermelhos muito acesos.
Ruivo

Quanto aos tons castanhos, o melhor para ficar com um ar mais jovial é o castanho em tom chocolate. Com o passar dos anos, nossa pele perde um pouco dos pigmentos e por isso usar tons mais claros, fugindo do preto ou castanho muito escuro, são boas alternativas de cores de cabelo que rejuvenescem.
Assim como a maquiagem com tons muito fortes pode deixar a mulher com a aparência mais velha, o cabelo em cores muito fortes e escuras também pode ter o mesmo efeito. Por isso, é importante escolher muito bem a cor que será usada antes de tingir as madeixas se a intenção for manter uma aparência mais jovial.

Chocolate

Os loiros devem ser em tons mais sóbrios, nunca um loiro platinado, por exemplo. Escolha um tom dourado ou mel para iluminar seu rosto e deixar a aparência com um aspecto mais saudável.
Loiro Mel


Loiro Dourado


Outra sugestão é evitar deixar o cabelo com uma cor só e sem corte nenhum. Faça luzes ou mechas mais discretas e naturais, elas vão dar movimento e vida ao cabelo. Além de fios mais bonitos, o resultado certamente será uma aparência mais jovem.


Tenha atenção especial ao seguir as tendências em cores de cabelos, pois nem sempre elas vão cair bem com o seu tom de pele e algumas podem deixar sua aparência menos jovem. As sobrancelhas também devem ser tingidas em um tom próximo ao do cabelo para manter o visual bem natural. Com estes cuidados, seu cabelo pode ser um grande aliado no rejuvenescimento natural.


Fonte www.blogsaudavel.com.br

sexta-feira, 1 de agosto de 2014

Recomeçar... Afinal nem tudo é para sempre.




Dar a volta por cima após o rompimento não é tarefa fácil para quem tem amor demais pelo parceiro. “As pessoas gostam de viver juntas, em comunidade. Têm medo de viver sozinhas. Por instinto, elas não querem se separar. Ao contrário, querem permanecer juntas, mas não resolvem questões que as fazem sofrer, pois deixaram passar muito tempo e as mágoas estão profundas. 
A ideia de separação fere esse instinto básico e essas pessoas ficam muito sofridas”, comenta Beth Valentim. A professora Patrícia Furtado concorda. “No começo dói muito, mas depois que a gente acorda dessa loucura de querer permanecer no caminho do outro é que percebe que todo o tempo investido poderia ter sido aproveitado de outra forma, até mesmo abrindo caminho para outra pessoa”, observa.

Desenvolver a autoestima é fundamental para se livrar da dependência de um relacionamento falido. Por isso, nada de ficar parada em casa! Sair com os amigos, conhecer gente nova, fazer cursos, entrar numa academia ou até mesmo viajar podem ser uma ótima forma de mudar o foco do pensamento e dasatitudes. 
Se ainda assim estiver difícil, vale a pena procurar ajuda de um psicoterapeuta, para trabalhar sentimentos como insegurança e esclarecer algumas questões íntimas. Até mesmo livros sobre relacionamento podem trazer diversas questões para refletir. 
Beth Valentim lembra que a espiritualidade também pode ser uma grande aliada. “A fé é um caminho que pode levar a pessoa a se encontrar, a refletir melhor. É importante estar perto de Deus nesses momentos. Você pode se surpreender”, diz a psicanalista.

POR: Anna Mocellin (psicanalista


segunda-feira, 7 de julho de 2014

Síndrome de Don Juan... O jogo da sedução


Por muitas vezes, tanto os homens quanto as mulheres, tendem a justificar sua solidão por não encontrar alguém ou quando encontram relatam não conseguem viver um “amor”. Nessa inquietude da conquista, certa instabilidade gera uma busca pelo grande objeto do desejo no processo de “conquistar” que se distancia do encontro com a pessoa a ser conquistada.
Neste jogo de sedução, ao se alcançar a conquista é presente a monotonia caracterizando as relações rápidas e volúveis sem a existência do vínculo afetivo com o sentir de um “vazio” depois de expectativas frustrantes.
Na Psicologia, Jung coloca os efeitos do complexo materno que podem gerar distúrbios psíquicos, como o Don Juanismo caracterizado pela imagem da mãe como mulher perfeita, que não possui defeito e que está sempre de prontidão para atender os desejos do homem. Neste sentido, a figura materna presente e registrada na psique do homem tende a interferir cada vez  mais em suas relações e em suas paixões. Em seguida, a conquista passa ocupar um “lugar” aonde acontece esta comparação podendo ter como resultado o desaparecimento repentino da paixão que insere a ideia de uma relação vazia e desinteressante.
Diante desta experiência, a relação é interrompida por não conseguir firmar laços duradouros, devido a busca da perfeição em todas as mulheres que se aproximam, encontrando nas outras pessoas defeitos imaginários para justificar o término da relação. Por outro lado, quando houve uma relação saudável com a mãe, o fortalecimento inconsciente deste vínculo passa a ser duradouro refletindo na procura da imagem da mãe nas outras mulheres.
Outros fatores são observados no comportamento daqueles que apresentam a síndrome de Don Juan ou Don Juanismo, dentre eles temos o complexo de rejeição caracterizado também, pelo medo ou receio de estar amando. Notamos que, muitos homens apresentam dificuldades em se entregar ao amor de uma única mulher, com o receio inconsciente de abandono, e apresentam comportamentos voltados sempre no plano da conquista.
Assim, a conquista se torna algo excitante e interessante e, na medida em que se distancia da imagem da mãe, se torna frustrante e monótona. Também pode aparecer certo mal-estar ao perceber suas dificuldades no estabelecimento do vínculo e da necessidade da convivência responsável. É possível perceber esse abandono de relação como nova liberdade e desprendimento para iniciar outra conquista, onde sempre poderá estar presente o temor do envolvimento afetivo verdadeiro e a antecipação do sofrimento ao assumir um compromisso.
O Don Juanismo também se manifesta no comportamento como conseqüência do complexo de rejeição, proveniente da vivência do abandono paterno ou materno. É percebido o medo de nova decepção afetiva resultando na evitação da dor diminuindo as possibilidades do comprometimento e sentimento de amor.
A Síndrome de Don Juan causa sofrimento e a incapacidade de criar vínculos relacionais, provocados pelas vivências destes comportamentos e da sensação interna de vazio.
É possível e preciso a busca dos motivos geradores desta síndrome, através do autoconhecimento e de novas formas de relacionamentos, para que se possa encontrar a segurança e a confiança em si, facilitando a manutenção de relações mais saudáveis e duradouras.
Texto de autoria da Psicóloga Rosana Augusto. Conheça também seu site – www.rosanaaugusto.com

quarta-feira, 4 de junho de 2014

Tudo depende de você


E assim, depois de muito esperar, num dia como outro qualquer, decidi triunfar... Decidi não esperar as oportunidades e sim, eu mesmo buscá-las. Decidi ver cada problema como uma oportunidade de encontrar uma solução. Decidi ver cada deserto como uma possibilidade de encontrar um oásis. Decidi ver cada noite como um mistério a resolver. 

Decidi ver cada dia como uma nova oportunidade de ser feliz. Naquele dia descobri que meu único rival não era mais que minhas próprias limitações e que enfrentá-las era a única e melhor forma de as superar. Naquele dia, descobri que eu não era o melhor e que talvez eu nunca tenha sido.

 Deixei de me importar com quem ganha ou perde, agora, me importa simplesmente saber melhor o que fazer. Aprendi que o difícil não é chegar lá em cima, e sim deixar de subir. Aprendi que o melhor triunfo que posso ter, é ter o direito de chamar a alguém de "Amigo". Descobri que o amor é mais que um simples estado de enamoramento, "o amor é uma filosofia de vida".

 Naquele dia, deixei de ser um reflexo dos meus escassos triunfos passados e passei a ser a minha própria tênue luz deste presente. Aprendi que de nada serve ser luz se não vai iluminar o caminho dos demais. Naquele dia, decidi trocar tantas coisas... Naquele dia, aprendi que os sonhos são somente para fazer-se realidade. E desde aquele dia já não durmo para descansar... Agora simplesmente durmo para sonhar"

Desconheço à Autoria 

segunda-feira, 26 de maio de 2014

Eu tive que aprender....Cecilia sfalsin


Eu tive que aprender da maneira mais impiedosa o que é amar alguém e o que é não ser amada por alguém. Eu tive aque aprender da maneira mais doída a me doar pra alguém e a me desapegar de alguém. Eu tive que aprender da maneira mais triste que o meu valor era bem superior a qualquer desprezo que eu recebia, eu tive que aprender e confesso que nem tudo ainda sei, mas boa parte do que me entristecia eu me desapeguei. 

O que quero que você entenda é que as vezes precisamos sim de certos ventos fortes, de certos momentos difíceis , de certas indiferenças pra nos olharmos no espelho e acordarmos pra vida. De saber que embora a dor que sentimos há uma chance de prosseguirmos, que quando nos desapegamos daquilo que nos tortura, daquilo que anula o nosso sorriso, abrimos portas pra tudo aquilo de novo que vem pela frente, ao qual o Senhor nos preparou.

 Eu tive que aprender e confesso a você que ainda estou aprendendo, porque a escola da vida é muito dura, muito exigente e nem sempre somos aprovados de primeira , nem sempre ganhamos, nem sempre somos compreendidos, mas eu sou do tipo que os ventos fazem lacrimejar os olhos, machucam a minha alma, estremecem meus passos , MAS não me jogam chão , porque tento equilibrar meu coração. Embora nem tudo eu ainda saiba , uma coisa ja aprendi... a não desistir de mim....
"se desapegue daquilo que te faz sofrer, e segue, que o que é pra ser em Sua vida... te encontra em qualquer caminho , em qualquer direção....


quinta-feira, 6 de março de 2014

Guarde Suas Expectativas Mulher...


Hoje, não existe uma mulher que não tenha se decepcionado com um homem ou com uma relação. O maior problema da mulher é que ela espera muito do homem. Ela espera mais do que ele pode ou quer oferecer. Toda mulher tem um ideal de relação perfeita. E cada relação que ela arruma, ela faz o favor de jogar todo esse ideal em cima daquele pobre homem. 
Não é o homem que decepciona a mulher, a mulher que se decepciona com o homem. A mulher cria na própria mente um príncipe e qualquer um que não esteja dentro desse padrão a decepciona, sem perceber que ela se ilude com algo que ela mesma idealizou.

A mulher tem que descobrir como essa relação será aos poucos. Não pode achar que ele é perfeito, que vão se casar, que ele vai te servir café da manhã na cama, que terão dois filhos... Parem com isso! Os homens vacilam? É claro que vacilam. Tem idiota pra tudo. Homem tem vontade própria. E por isso pode tomar uma decisão que nunca passou pela sua cabeça. Isso é mais um motivo para você ser muito mais cuidadosa com quem escolhe para ter uma relação.


Fora que a mulher têm o costume de ser "menininha". Parece que a cada relação ela volta ao mundo da fantasia e fica idiota. Cadê a tal maturidade que você, mulher, tanto cobra dos homens? Pare de achar que qualquer mané que você namora é o amor da sua vida. Mulher não consegue ficar sem alguém. A carência abaixa o critério para encontrar alguém e quando não dá certo, você se decepciona. É a mulher que se decepciona com ela mesma.
Guarde suas expectativas. 


Ou se possível, não crie expectativas. Se você espera muito e nada acontece, você se decepciona. Se você espera nada e algo acontece, você se surpreende. Você vai perceber que tudo pelo qual você se preocupou foi apenas perda de tempo. Se der certo, você se preocupou com tudo à toa. Se der errado, você se preocupou com algo que nem valia a pena ter investido o seu tempo. Pare de criar expectativas, pare de se decepcionar e se surpreenda.


08 De Março Dia Internacional Da Mulher

#IzaC

sábado, 1 de março de 2014

15 coisas que as pessoas felizes nunca fazem.


Quando falo de “pessoas felizes” não quero dizer “pessoas perfeitas”, mas sim me refiro àquelas que sabem viver, conhecem bem o que é necessário e o que não é em suas vidas e o que elas precisam preservar e descartar para serem felizes. E não só sabem, como também aplicam este conhecimento em seu dia a dia, evitando o que não traz nada de bom e investindo tempo naquilo que lhes faz bem.
Existem certos comportamentos que atrasam a nossa vida, nos entristecem e são capazes até de impedir completamente a nossa felicidade. Arrisco dizer que você comete ou já cometeu pelo menos uma vez algum deles, provavelmente sem pensar no quanto eles o prejudicariam. Alguns dos mais comuns estão listados abaixo para que você leia e, a partir de agora, passe a ter consciência de que, se os cometer, estará se afastando da sua felicidade.
A sugestão é: que tal fazer um esforço para evitar ao máximo fazer cada uma dessas coisas, ou pelo menos escolher uma delas e prometer não fazer mais?
As pessoas felizes nunca…
Sofrem por antecipação...
Elas jamais ficam se torturando e tentando impedir algo que ainda nem sequer aconteceu e que nem sabem se realmente acontecerá. Deixam que a vida siga seu rumo e vivem o presente. Preocupam-se com um problema somente quando ele se torna real. Quando pensam no futuro, focam somente nas coisas boas: em seus sonhos, objetivos e metas, ou seja, naquilo que as trará felicidade.
Acham que a vida deve ser perfeita...
Não desperdiçam sua vida esperando pelo dia em que serão ricas, bonitas e totalmente livres de problemas para serem, finalmente, felizes. Pessoas felizes sabem que as dificuldades e os obstáculos fazem parte da vida de todas as pessoas, mas procuram enxergar também o lado bom em todas as situações, e sabem lidar com as duas coisas ao mesmo tempo, ao invés de adiarem sua felicidade esperando pelo dia em que tudo será perfeito.
Fogem dos problemas...
Elas não os ignoram, não se escondem, não descontam nos outros, na comida ou no shopping, e muito menos colocam a culpa em alguém para livrarem-se dela, mas sim lidam com todos os seus problemas, desde o princípio. Pessoas felizes encaram o que precisa ser encarado, aprendem e crescem com a situação. Não porque são mais fortes do que os outros, mas porque sabem que não adianta nada tapar o sol com a peneira e fingir estarem felizes. Elas querem e fazem questão de que a sua felicidade seja real e verdadeira.
Esperam aprovação dos outros...
Porque  acreditam na própria capacidade e sabem que ninguém mais pode saber tão bem o que é melhor para elas do que elas mesmas. Por mais que conversem ou peçam a opinião de outras pessoas, nunca deixam que isso se sobreponha às suas concepções e vontades.
Passam o dia olhando para o relógio...
Esse é um sinal claro de que a sua rotina não te permite ser feliz, ter foco e obter satisfação. Quem passa o dia inteiro olhando o relógio de cinco em cinco minutos está sempre esperando que chegue a hora em que algo bom vai acontecer e isso indica que essa pessoa não está onde gostaria de estar. Pessoas felizes encontram prazer no dia a dia, conseguem ter foco no que fazem e quase nunca sentem o tempo passar.
Reclamam de tudo...
Reclamar é uma mania, um vício. Quem tem esse costume reclama de tudo, todos os dias, toda hora, porque estão acostumados não só a ver o lado ruim de tudo, mas também a passar o tempo inteiro expressando seu descontentamento com a vida. Então reclamam do despertador, do trânsito, do trabalho, do chefe, da temperatura, dos preços, da falta de tempo, de tudo que não acontece como querem etc. Obviamente, pessoas felizes não são assim porque procuram ver e focar seus pensamentos no lado bom e dar menos atenção ao que não as agrada, ao contrário dos reclamões.
Procrastinam...
Procrastinar é perder tempo se distraindo com coisas inúteis – como ver programas de televisão que pouco interessam ou passar horas olhando o que os outros postam no facebook – enquanto algo que precisa ser feito é deixado para depois. As pessoas felizes têm tantos projetos, sonhos e vontades que, se seus dias tivessem o dobro de horas, ainda assim elas encontrariam inúmeras coisas diferentes para aproveitar todo o tempo e continuariam se recusando a perder horas (ou mesmo minutos) com bobagens.
Cuidam da vida dos outros...
Pessoas felizes têm vidas interessantes, por isso não sentem necessidade de saber o que acontece com os outros e comentar a vida alheia. Elas têm consciência de que o tempo é um bem precioso e o usam para dedicarem-se a si mesmas, porque sabem que fofocas e bisbilhotagem não lhes traz nenhum benefício.
Deixam que os outros tomem decisões por elas...
Elas são donas da própria vida e sabem que não devem colocar a responsabilidade de escrever as suas histórias nas mãos dos outros. Por mais que tenham dúvidas, as pessoas felizes compreendem que ninguém no mundo sente ou sabe o que se passa em seu interior e somente elas é que sofrerão as consequências de suas decisões, tantos as ruins como as boas. Por isso, nunca permitem que alguém dê a palavra final quando se trata de algo que afetará ou mudará suas vidas.
Fogem da mudança por medo...
Porque mudanças fazem parte da vida, acontecerão diversas vezes e nem sempre temos escolha, por isso é necessário saber lidar com elas. Se uma mudança radical for precisa em prol da felicidade, elas se jogam de cabeça, com ou sem medo!
Guardam ressentimentos...
Se possível, elas deixam pra lá ou ignoram. Se não, abrem o jogo e colocam a mágoa pra fora, mas em hipótese alguma permitem que algo que as incomoda e entristece permaneça dentro delas fazendo-lhes mal e tomando conta de seus pensamentos de forma negativa.
Não insistem em relacionamentos que não funcionam...
Não são raros os relacionamentos – sejam de namoro, casamento e também de amizade – que demonstram o tempo inteiro já não possuírem mais nenhuma chance de dar certo, porém continuam existindo por insistência ou comodismo dos envolvidos. Não se trata de tirar as pessoas da nossa vida como se elas fossem descartáveis, mas quem é feliz jamais persiste em um relacionamento que só traz decepção, tristeza e sentimentos negativos. Principalmente quando a relação é muito profunda e não dá mais certo, elas são corajosas o suficiente para darem o primeiro passo para impedir que a sua vida e a da pessoa com quem se relaciona seja arrastada desta forma por muito mais tempo.
Se limitam a pedir...
Pessoas felizes têm sempre muito mais a agradecer do que a pedir e sabem que sua felicidade aumenta muito mais ao se sentirem gratas pelo que já têm do que apenas pedindo e deixando em segundo plano a noção de que já possuem tudo o que precisam para serem felizes.
Se conformam com o que não lhes agrada...
Ao mesmo tempo em que sabem ser gratas por já possuirem tudo o que precisam para viverem bem, as pessoas felizes não se conformam com aquilo que não as agrada. Elas nunca dizem “a vida é assim mesmo” e continuam onde estão sem tentar mudar, porque sabem que, se algo não está como gostariam, o poder de mudar está em suas mãos. Basta querer e, é claro, fazer.
Se vingam...
Por mais machucadas que tenham sido por alguém, elas não se permitem gastar ainda mais tempo com o assunto tentando fazer mal a outra pessoa, até porque isso não lhes trará nada de bom. Por pior que tenha sido o sofrimento causado, as pessoas felizes são fortes e sábias o suficiente para superar uma decepção e saber que certas coisas não valem a sua atenção. Elas sabem que tocar suas vidas e fazer bem a elas mesmas é uma maneira muito mais eficaz de superar um problema do que prejudicando a vida de outra pessoa.
Fonte : desassossegada.com.br

segunda-feira, 27 de janeiro de 2014

Como superar uma separação.

Os 7 passos para superar uma separação

Separar, no dicionário Michaelis, significa ato ou efeito de separar ou separarem-se pessoas ou coisas moralmente ou fisicamente unidas. Outro significado pode ser a cessação de amizade, concórdia ou harmonia. Os significados abundam. Mas, independente do que quer dizer, terminar uma relação traz sintomas semelhantes: tristeza, desmotivação e a sensação de que uma parte de você foi 

embora. Existe vida após a separação?
"Claro que existe. Mas tudo tem um tempo de maturação", explica Carla Cecarello, psicóloga e terapeuta sexual. Para ela, a mulher precisa vivenciar bem a distância, a perda e o luto para que possa estar pronta. "Isso varia muito de pessoa para pessoa e pode levar até dois anos para que a pessoa se sinta novamente tranquila e apta para um novo relacionamento", assegura.


Separamos sete passos, sob a supervisão da psicóloga, para você superar e recomeçar sua vida. São eles:
Separar dói
Existe um pensamento vigente: que a separação dói mais na mulher do que no homem. "É um mito achar que as mulheres sentem mais do ponto de vista emocional do que os homens, numa separação. Muito pelo contrário: há homens que sofrem bastante quando se separam das suas companheiras", explica Carla. Ambos podem sofrer. A reação e a forma de lidar com a separação é que varia muito de pessoa para pessoa. O ideal é aceitar a realidade tal como se apresenta: você está sem ele, mas está consigo mesma, e isso é muito importante.

Pequenas atitudes
Primeiro a pessoa precisa admitir que está separada de vez. Nesse momento, ela tem que começar a pensar um pouquinho em como pode reorganizar a vida sem o parceiro. "Atitudes simples podem ajudar como mudar a disposição dos móveis dentro de casa, mudar o cardápio, tudo precisa ser reorganizado", ressalta a psicóloga.

Faxina geral
Se puder fazer uma faxina geral do seu ex, melhor ainda. "Quando você convive com alguém, a casa é arrumada para os dois. A partir do momento que um se vai, precisa reorganizar as coisas senão tudo vai fazer você lembrar o outro. As coisas precisam ser reestruturadas", ressalta a psicóloga. Tudo precisa ser relido após uma separação para, no futuro, essa mulher poder pensar com quem vai sair, onde vai passear, qual o tipo de pessoa que gostaria de encontrar. Tudo é um planejamento. Claro que, inicialmente, bate a tristeza, a desmotivação e essas sensações devem ser vividas intensamente para que emoções assim não voltem depois.

Enterre os mortos
Será verdade que uma dor de amor só se cura com um novo amor? "Eu não acredito nisso. Você primeiro tem que enterrar um assunto para iniciar outro. Não adianta nada você tentar colocar outra pessoa para substituir", explica a especialista. Após enterrar, nada de comparações ou tentar colocar o novo parceiro nos moldes do anterior. Se isso ocorrer, não vai ser um relacionamento saudável. É melhor enterrar o assunto e, na hora em que você estiver bem tranquila e com o coração aberto, aí sim, partir para uma nova relação.

Sofrer é opcional?
É necessário para a pessoa passar por essa dor sim, explica a sexóloga. Se não há dor é porque, realmente, já não havia mais sentimento e essa relação já estava separada e deteriorada há muito tempo. Se você tem ressentimento, é inevitável sofrer pela possibilidade de não poder mais conviver com aquela pessoa. Tudo bem, você pode decidir "não quero mais sofrer", certo. Mas você vai começar muito provavelmente a sufocar esse sentimento. Tem que sofrer o que tem que sofrer, acabou o assunto, pronto. Já sofreu tudo? Aí sim a pessoa chega à conclusão "não quero mais, basta!".

Nada de deprimir
Algumas pessoas utilizam seus hobbies como forma de dispersar essa sensação de vazio, o que é uma boa. Que tal por no papel? Ou, quem sabe, pintar quadros? Ou cantar, criar uma música? Veja aí dentro de você qual atividade traz mais prazer e associe isso a uma possível recuperação. Distrair é fundamental. Também nada de se afogar no trabalho e trazer mais pressão e estresse à sua cabeça. As atividades precisam ser prazerosas e libertadoras.


Ajuda especializada
Buscar ajuda profissional especializada poderá ser outro bom investimento para superar o trauma da separação. Há pessoas que sentem mais do que outras e não conseguem achar alternativas para amenizar a dor. Em casos assim, é recomendado a ajuda de um psicólogo. "É fundamental que possamos nos transformar sempre para garantirmos novas chances, assim como novas alternativas de convivência", 
explica Carla.
Reflita: 
Onde o amor impera, não há desejo de poder; e onde o poder predomina, há falta de amor. Um é a sombra do outro
(Carl Jung)


Fonte:estilo.br.msn.com

terça-feira, 14 de janeiro de 2014

Definição da Solidão.


A solidão...
A solidão é você não ter amigos
e sim colegas.
A solidão não é você estar sozinho,
é estar entre milhares de pessoas e sentir 
falta apenas de uma.
A solidão não é você chorar sozinho e 
sim você não ter com quem sorri.


A solidão não é você estar com quem não te ama
e sim estar com quem você não ama e que te ama.
A solidão não é falta de alguém que te faça feliz
e sim ter alguém e não ser feliz.
A solidão é você gritar o nome de alguém
que não quer te ouvir.
A solidão é você sentir frio, 
mesmo em dias quentes.

A solidão não é você não amar,
mas sim amar e não ser amado.
A solidão, a verdadeira solidão você sente
naqueles momentos mas difíceis da sua vida

quando você olha para o lado e ver todos menos quem você quer, menos quem você ama.

A solidão é você escutar o silêncio da pessoa amada,
escutar o frio das palavras não ditas, a solidão é absolutamente 
o nada da sua vida e você sentir o vazio do viver.

A solidão é definitivamente o meu nome, Eterno solitário, um vazio em meu viver..

Alexandre oliveira
Tema Viagem. Imagens de tema por Galeries. Tecnologia do Blogger.

Pesquisar este blog