sexta-feira, 29 de janeiro de 2016

Você não está sozinha


“Olhai para as aves do céu, que nem semeiam, nem segam, nem ajuntam em celeiros; e vosso Pai celestial as alimenta. Não tendes vós muito mais valor do que elas?
Olhai para os lírios do campo, como eles crescem; não trabalham nem fiam; e eu vos digo que nem mesmo Salomão, em toda a sua glória, se vestiu como qualquer deles.
Pois, se Deus assim veste a erva do campo, que hoje existe, e amanhã é lançada no forno, não vos vestirá muito mais a vós, homens de pouca fé?”

Esta passagem bíblica do Livro de Mateus é um bálsamo para acalmar a ansiedade em que vivemos, certamente com justas causas. Mas como deixar de ter preocupações diante das nossas necessidades básicas como alimentação, vestimenta, moradia, entre tantas outras, mesmo tendo amparo do nosso Deus?

O que este Livro fala, é de que não precisamos por toda nossa atenção nestas necessidades, porque o homem é um ser muito mais complexo do que comer, beber e vestir, que como obra suprema de Deus, todas estas carências serão por Ele supridas.
E qual é a diferença entre as necessidades do homem, das aves e dos lírios? Ela está em uma palavra: consciência.

A consciência dá ao homem a dimensão do tempo e do espaço, das suas necessidades, da sua finitude, o que não acontece com nenhum outro ser. O homem sabe e pensa. E isto resume a complexidade de sua existência.

Por ter consciência, sofremos, somos ansiosos e preocupados. Claro que nossas necessidades são maiores que as das aves e as dos lírios. Mas passamos boa parte da nossa vida, preocupados em preenchê-la com bens muitas vezes desnecessários, com pessoas que pouco nos acrescentam e com demasiadas ocupações que nos roubam cada segundo do tempo. E pra quê? A resposta é queremos uma vida confortável e socialmente intensa, queremos produzir mais, consumir mais. E então, acabamos ansiosos.

Mas está errado querer uma vida confortável, pessoas por perto, bens? Certamente que não, tudo isto também faz parte da complexidade humana e tornam a vida mais feliz.
O filósofo Sêneca diz em seu livro “A vida feliz”, que a pessoa feliz é quem, graças à razão, não está submetido à cupidez nem a temores, é quem atenta ao seu corpo e a tudo que a ele tange, mas sem ansiedade, é quem é amante das vantagens que aprimoram a qualidade de vida, mas com precaução, assim nossa vida irradiará alegria, tranqüilidade e bem-estar perene.

Tanto nos ensinamentos bíblicos como nas sábias palavras de Sêneca, percebemos que às vezes é bom dar uma pausa na nossa ansiedade para contemplar despreocupadamente o que é simples, como a vida das aves do céu e a beleza dos lírios do campo. Isso também é felicidade.


 Sibele Cristina de Castro Ligório

Valorize sua vida


Segredo da vida não é ter tudo que você quer, mas amar tudo que você tem. Valorize o que você tem, dê valor as pessoas que realmente gostam de você. Dê mais ênfase as coisas alegres, minimize a tristeza. "A dor é inevitável, sofrimento é opcional".
Não sofra por aquilo que ainda nem aconteceu, talvez o problema nem seja tão grande quanto pensamos. E se grande ele for, tenha a humildade de admitir que precisa de ajuda. Desabafe, escute o que outras pessoas tem a lhe dizer, peça um abraço.
Perdemos muito tempo nos preocupando com fatos que, muitas vezes só existem em nossa mente.
Não dê tanta importância a coisas tão banais. Brigue menos, discuta menos, evite estresses. Tudo, tudo é passageiro, nada vai permanecer para sempre. Não tente entender as pessoas ou que elas fazem, apenas as aceitem da maneira que são. Ninguém é perfeito. Entenda que assim como você, os outros também possuem defeitos e estão passivos a erros.
Bob Moorehead

domingo, 17 de janeiro de 2016

"Frases do livro "Diário de uma paixão"


O amor é como uma grande casa que tem que ser construída por você. Ele pode sofrer com as tempestades, entretanto continuara ali. Você não pode deixá-lo morrer quebrar ou vender por qualquer casa que já esteja pronta porque assim não descobrirá o valor de tê-la, assim é o amor.
 A casa suportara se estiver ali nas alegrias, tristezas, raiva, ciúmes e todos os seus sentimentos tudo o que envolva o coração. Construa esta casa, deixe-a transformar-se em uma mansão, pois esse é o verdadeiro amor o que escuta e compreende e vive dentro de cada pessoa que se deseja amar.
Estas frases na minha opinião é a mais linda.....
Nicholas Sparks



quarta-feira, 13 de janeiro de 2016

4 passos para salvar uma relação.


"Com o passar do tempo, o laço de amor, tesão e paixão se estreita até se transformar em um nó que prende, sufoca, irrita, confunde e acaba afastando duas pessoas que costumavam ser tão próximas"

Antes de pensar em desistir do amor diante do primeiro drama, entenda: as dificuldades fazem parte de qualquer envolvimento amoroso. Para superá-las, nada como a boa e velha conversa. "Algumas pessoas detestam discutir a relação, outras adoram e há quem não saiba nem por onde começar

Atitudes para salvar a relação
Avalie sua postura e invista nas dicas abaixo para reverter ou até tentar evitar crises



1. Fuja da rotina!

Ir ao motel na sexta-feira ou pegar um cinema às quartas são ótimos programas. Mas fazer isso toda semana causa a sensação de mesmice. “Não é possível sair da rotina de forma muito planejada”, afirma o especialista. E, acredite, isso vai além da nossa consciência. "A mente humana funciona com o contraste. Por exemplo, se há um ponto de luz piscando em uma sala escura, é nele que se fixará sua atenção. Mas em cinco minutos você nem se lembrará mais da tal iluminação. Isso mostra que a mente se acomoda com a rotina", explica ele. Assim, surge a necessidade de atividades diferentes. No fundo, nem é ação que importa, mas o quão inusitada ela é para vocês.

2. Exija seu espaço.

No romance, todos precisam respirar. “O diálogo é importante, mas a privacidade precisa ser mantida. Por isso, a relação a dois é um permanente movimento de juntar-se e separar-se”, diz Blenda de Oliveira, psicanalista membro da Sociedade Brasileira de Psicanálise. Para exigir seu espaço, você precisa aceitar a individualidade do parceiro. "Nunca pense que o outro quer ficar sozinho porque deixou de amá-la", diz Simonetti. Ainda segundo ele, quando tudo é feito junto, um dos dois começa a se sentir preso, sufocado, e os problemas não tardam a aparecer.

3. Demonstre o que você sente.

"Muitos casais que já estão juntos há anos não se declaram mais. No entanto, mesmo sabendo que o sentimento existe, as pessoas precisam escutar o que o outro sente apenas pelo prazer que isso traz", diz o psicanalista. Então, anote a lição: declare seu sentimentos ao gato. Afinal, mesmo que ele tenha certeza do seu amor, não custa nada reforçar isso com palavras.

4. Seja responsável por sua felicidade.

Não exija que o parceiro viva para satisfazê-la. Isso acarretará em expectativas frustradas, pois ele nem sempre fará seus desejos. "Ao diminuir as expectativas em relação ao companheiro, podemos incrementar a relação e torná-la uma boa surpresa diária", diz Blenda.

"Podemos escolher o que semear,
mas somos obrigados a colher aquilo o que plantamos."
(Provérbio Chinês)

Fonte: odesafiodeamar.blogspot.com.br

Angustia- A dor da alma



De repente, vem aquele aperto no peito! Pode ser em qualquer momento, hora ou lugar. Como se uma grande mão apertasse seu peito, em seguida vem uma sensação bem esquisita de opressão. Você quer se livrar dela, mas não consegue. O coração bate mais rápido ou então você sente uma apreensão. Medo do futuro? Quase como se descesse de montanha russa.... aquele friozinho na barriga terrível.

Em alguns momentos, você está bem e a apreensão surge sem pedir licença. Em outros, está associada a alguma preocupação ou sensação de insegurança. Se você vive um momento confuso ou difícil, a angústia pode se instalar na sua mente e no seu coração.

A angústia pode ser um sinalizador para a depressão.



 Pessoas deprimidas sentem angústia e a ansiedade pode surgir de repente. A ansiedade está associada à respiração também. A pessoa ansiosa respira muito rápido ou sente uma sensação de sufocamento, "peito apertado".

Ai vem a dúvida: 



O que fazer quando você sentir esta sensação desagradável: Que acomete ricos e pobres, jovens, velhos e crianças! A angústia é mais comum nas mulheres. Quando sentir esta sensação desagradável, primeiro afaste a possibilidade de causa orgânica como: distúrbios hormonais como: menopausa, climatério, entre outros. Anemia, problemas cardíacos e depressão, por exemplo.

Geralmente, a angústia está associada à depressão e algumas pessoas são predispostas a sofrer de angústia periódica. Nem sempre quem sente angústia ocasionalmente, sofre de depressão. A angústia pode ser uma manifestação da ansiedade.

A ansiedade é o receio do futuro



A ansiedade é um recurso utilizado por nós para nos preparar, de certa forma para acontecimentos futuros. Quando temos uma prova, um encontro importante, uma decisão a tomar, podemos sentir esta sensação de apreensão. É o receio do novo e do inusitado. Nosso organismo lança mão de uma carga extra de adrenalina.

Quando estas sensações surgem e são momentâneas fazem parte do cotidiano do ser humano. Não podemos controlar os acontecimentos e isso gera medo. Podemos controlar nossas emoções; isso é tranqüilizador.

Observe a freqüência desta sensação desagradável.



 Procure observar com cuidado. O que você está pensando quando sente esta sensação? Não tenha medo da Ansiedade ou Angústia. Não tente reprimi-la, mas mude o padrão mental. Se você está pensando em algo desagradável, modifique o pensamento. Afirmações positivas ajudam bastante nesses casos. Afirmações como: "Sou feliz!" "Estou calmo""Está tudo bem" "Ficará tudo bem!"

Aprenda a respirar!

A angústia estaria associada a causas psicológicas como: traumas, complexos, meio ambiente repressor ou desgastante podem desencadear sensações de opressão.

A serenidade tem a ver com a Fé e o Otimismo.



 Fé em Deus e em si mesmo! Sensações de vazio interior e mudanças de vida podem estar associadas à angústia. Quando a pessoa se aposenta, pode sentir esta sensação de insegurança. O que farei agora? A "síndrome do ninho vazio" pode ser também uma das causas da angústia ou ansiedade. Os filhos estão criados, estudam fora e os pais se sentem vazios. Viveram sempre em função dos filhos e agora?

Às vezes, a causa pode ser espiritual.



 Uma oração fervorosa pode melhorar esta opressão. Vivemos num mundo muito material e imediatista. Nosso espírito precisa também de alimento espiritual. Praticar esportes, lazer, uma atividade, amigos, são bons remédios para evitar a angústia. Só será considerada patológica se junto com ela estiverem outros sintomas como: falta de concentração, tristeza permanente, inquietação, pensamentos negativos. Pode ser o início de uma depressão. Ou então, se a angústia estiver sendo um fator limitante em sua vida. Nesse caso, procure ajuda profissional. Pessoas muito inseguras ou com dificuldade em expressar os sentimentos, são propensas à angústia.

Uma vida saudável feita de pensamentos sadios e atividades produtivas, tem como efeito, emoções também sadias. Pense nisso! Como estão seus relacionamentos, sua vida em família, seus desejos e problemas?. Procure se autoconhecer para disciplinar seus pensamentos. 



FONTE:www.minhavida.com.br

sexta-feira, 8 de janeiro de 2016

Baixa autoestima e falta de amor próprio provocam ansiedade

Insegurança e pensamentos negativos também podem agravar o problema

A ansiedade é um mal que acompanha gerações há anos. A sensação de desconforto não chega a ser classificada como uma doença, mas sim como um sintoma preocupante que pode culminar em uma série de inconvenientes relacionados à saúde e à vida pessoal. O mal estar é provovado basicamente, pela insegurança em relação a situações que só vão acontecer no futuro. "Pessoas ansiosas vivem em alerta e sofrem por algo que pode ou não acontecer", define o psicólogo Thiago Sampaio. 

Intimamente ligada ao medo - e confundida com ele  a ansiedade é acionada pelo corpo, especificamente por uma área do cérebro que percebe algum tipo de ameaça ou perigo e, a partir daí, o mecanismo de defesa passa a funcionar. "A principal diferença entre medo e ansiedade é que o primeiro surge em situações de risco imediato, já a segunda não altera a racionalidade e está voltada para o que não aconteceu", explica o profissional. 

O sentimento dispara um estado de alerta sensível, quase um radar daquilo que pode ou não afetar a vida. É por isso que uma pessoa ansiosa vive em sobressalto, esperando que algo aconteça. O sentimento é altamente influenciado pela maneira que pensamos. E é neste detalhe que mora o perigo de o transtorno ganhar uma dimensão poderosa para detonar a sua  autoestima. "Os  sentimentos negativos são como um ímã para a ansiedade e consequentemente para o sofrimento", diz Sampaio. 

Identifique a raiz do problema 
Os pensamentos negativos e catastróficos podem ser desencadeados por traumas e por insegurança, ambos relacionados também à baixa autoestima. "As pessoas não são ansiosas porque querem. É automático pensar em problemas quando já se passou por situações de medo", pondera o psicólogo. A preocupação exagerada com um futuro que ainda não aconteceu é uma clara demonstração de insegurança.  
O excesso de pensamentos ruins inevitavelmente gera um ciclo vicioso que tende a esmagar a autoestima do indivíduo. "A ansiedade é um combustível que alimenta a baixa autoestima. Nem sempre ela é negativa, claro, mas uma pessoa que sofre por antecipação está claramente se sentindo em desvantagem diante de uma situação", exemplifica o profissional.

A falta de segurança pode prejudicar ainda a vida pessoal e profissional. Uma pessoa insegura diante de um chefe certamente não será valorizada no trabalho, com isso as frustrações aparecem e ela passa a acreditar que não é boa o suficiente para desempenhar algumas funções. O mesmo, diz o psicólogo, pode acontecer em um relacionamento, quando um dos parceiros trai e o outro descobre. Em casos assim, o trauma pode ser grande e reduzir a autoestima e o amor próprio a níveis baixíssimos.

Como combater o mal 

O excesso de informação dos dias atuais levam a humanidade a comparar tudo e todos. "Se somos expostos a corpos esculturais, a vidas glamurosas, rapidamente comparamos com o que somos e o que temos. Em 99% das situações, os indivíduos sentem que estão abaixo, o que causa um sentimento natural de inferioridade", contextualiza. 

De acordo com Sampaio, brecar as comparações é quase impossível, pois somos guiados por um impulso quase incontrolável. No entanto, ele recomenda que ponderar e reconhecer suas qualidades e talvez até a desigualdade da comparação é uma alternativa para não esmigalhar o amor próprio e manter a autoestima.
Outra dica do profissional é tentar manter a racionalidade e afastar os pensamentos catastróficos. "Acreditar em si é tão fundamental quanto manter um raciocínio lógico diante de qualquer situação da vida", diz. Em casos extremos de ansiedade, que podem se revelar em crises de falta de ar, taquicardia e outros inconvenientes, é necessário procurar ajuda médica ou fazer um tratamento terapeutico com psicólogos. 

Ser confiante e racional diante das situações rotineiras garante também o bem-estar e, com isso, menos complexos e inseguranças. "Elevar a autoestima é básico para minimizar o comportamento ansioso", finaliza. 
Fonte:http://www.minhavida.com.br
.
Tema Viagem. Imagens de tema por Galeries. Tecnologia do Blogger.

Pesquisar este blog