terça-feira, 29 de novembro de 2016

Depressão,Ansiedade,Transtorno de Pânico X Angústia


Ansiedade X Angústia

Os transtornos de ansiedade estão relacionados a alguma disfunção dos neurotransmissores, que desencadeia um excesso de preocupação diante de alguma situação, como a entrevista de emprego que está para acontecer, a apresentação de algum trabalho ou coisas similares. As pessoas que passam por esse problema tendem a possuir pensamentos exagerados, como se a situação futura pudesse ter um desfecho ruim.
Na ansiedade é comum que a pessoa não consiga dormir, que tenha palpitações, falta de ar, tremor nas mãos e uma preocupação que paralisa.
Ou seja, a ativação cerebral é distinta na ansiedade e na angústia, vez que a primeira revela uma apreensão em relação ao que está por vir, e a segunda se relaciona ao momento presente.

Transtorno de Pânico X Angústia

O transtorno do pânico, conhecido como síndrome do pânico, é, via de regra, caracterizado por ataques repentinos, que subitamente dominam a pessoa e não possuem, na grande maioria dos casos, um gatilho específico. Aqui há uma ansiedade exagerada que gera sintomas físicos como tremores, vertigem, falta de ar, suor exacerbado, taquicardia e a sensação de medo. O paciente tende a achar que pode, inclusive, morrer a qualquer momento, tamanho a gravidade dos sintomas.
A angústia causa também sintomas físicos semelhantes, mas o que se sente é diferente. Não há, também, a sensação de morte eminente.

Depressão X Angústia

A angústia é muito confundida com depressão, mas é preciso salientar que na depressão há um desajuste de neurotransmissores, inclusive a noradrenalina, e é, via de regra, esse desajuste na química cerebral que gera os sintomas da doença, que incluem tristeza, fadiga, falta de apetite, problemas relacionados ao sono, dificuldade de concentração, alterações na autoestima e até pensamentos relacionados a morte.
De toda forma, o certo é que a angústia precisa ser vista como o que ela realmente é, uma doença, e ser tratada como se deve para que o paciente consiga se livrar da dor que sufoca, da prisão interna em que vive.
Buscar ajuda é essencial, pois é procurando ajuda que a pessoa se livra desse terrível  mal!

 Do Blog: Ju Lopes

sábado, 5 de novembro de 2016

Chorar faz bem para a saúde e alivia a dor


Durante muitos anos pensou-se que as lágrimas eram o principal sinal de debilidade de uma pessoa, pois o chorar demonstrava uma personalidade imatura.

De igual forma, pensava-se até que as pessoas choravam porque não sabiam assumir as suas faltas e pretendiam inspirar um pouco de compaixão.

Quando estamos tristes e o expressamos com lágrimas, o corpo libera substâncias que fazem o papel de um calmante natural, o qual ajuda com que a dor não seja tão forte como parece.

As lágrimas fazem com que se liberem duas classes de hormônios, chamados de opiáceos e oxitocina, os quais tem a capacidade de fazer com que a dor não seja tão forte. Neste caso funcionam como anestesias naturais, que nos fornece tranquilidade e, de certo modo, um pouco de relaxamento.

Em poucas palavras, chorar é como fazer um bom exercício que nos ajuda a manter o bom funcionamento do organismo, uma vez que é muito necessário fazê-lo quando sentimos angustia, quando estamos deprimidos ou preocupados por algum tipo de situação.

É muito natural que as lágrimas apareçam e que depois de chorar por um bom tempo sinta-se um pouco de tranquilidade. As lágrimas também podem expressar alegria e emoção, mas são mais comuns nos maus momentos, já que são um símbolo de angustia e de profunda dor.

São boas para a visão


As lágrimas têm também a capacidade de evitar a desidratação das membranas mucosas dos olhos, pois lubrifica e as mantêm perfeitamente umidificadas, as qual é muito úteis para manter a vista em perfeitas condições. Além do que os especialistas asseguram que se as pessoas não tivessem a capacidade de chorar, a visão seria afetada com mais facilidade.

Podem matar algumas bactérias


As lágrimas têm a capacidade de matar certas bactérias em questão de minutos, já que contem um poderoso fluido chamado lisozima. Desta maneira, nos protegem de alguns germes que provocam , por exemplo, os resfriados, entre outras doenças.

Podem eliminar toxinas


As lágrimas que se derramam quanto temos alguma emoção forte, uma dor que nos afeta de tal maneira que provoca um choro forte e difícil de acalmar, são uma excelente terapia que nos serve para eliminar todo o tipo de toxinas que se acumulam no organismo por causa do estresse, entre outros motivos.

Ajudam a reduzir o estresse


Este líquido que derramam dos olhos é muito semelhante ao que o corpo segrega quando suamos, sendo assim as duas formas muito válidas para eliminar os altos níveis de estresse.

Melhoram o estado de ânimo


Quando choramos, eliminam-se grandes quantidades de manganês, o que ajuda a acalma o mau-gênio, uma vez que os altos níveis de manganês dentro do organismo fazem com que os estados de profunda fadiga, irritabilidade, depressão, ansiedade e outros distúrbios que podem afetar gravemente a saúde emocional de qualquer pessoa, estabilizem-se.

Malefícios para a saúde


Depois de conhecer os benefícios que traz o choro para a saúde emocional, é importante destacar que não temos que conter as lágrimas, já que se geram um mau a todo o organismo, uma vez que não se liberam essas angústias e emoções negativas, o que, a longo prazo, causará algo muito pior.

Lembre-se que não temos que sentir temor, nem vergonha de expressar os sentimentos quando se tem vontade de chorar. Temos que deixar escapar essas lágrimas, já que com elas se vão alguns dos nossos problemas (inclusive alguns da saúde)

Fonte: http://www.ciencia-online.net

quarta-feira, 2 de novembro de 2016

Angústia: A Doença Silenciosa



Você sabe o que é angústia? Já sentiu isso? A angústia é muito confundida com o medo e a ansiedade, e muita gente a descreve como a “mistura” dos dois, associada a uma “agonia” mental que parece não ter motivo, e uma dor que sufoca” no peito, como se algo fosse acontecer.
Muitos não sabem, mas a angústia é uma doença psiquiátrica, e, por isso, precisa ser tratada para que os sintomas, que incluem sensação de sufocamento e de aperto no peito, sejam minimizados.
Para quem nunca sentiu, é bem difícil defini-la ou entendê-la, pois seus sintomas são similares do transtorno de ansiedade, da depressão e até mesmo da síndrome de pânico. Contudo, a “confusão” não procede, pois os comportamentos mentais da angústia são bem diferentes dos das outras doenças, e ela possui padrões diferentes de ativação cerebral.
Quem sofre com crises de angústia reporta, quase sempre, um sentimento de vazio, um questionamento constante de porque e pra que estão aqui. É comum o questionamento em relação à própria vida, sobre o sentido da mesma.
Essas pessoas tendem a, dependendo do grau do quadro de angústia, manter-se afastadas das outras, vivendo em seu próprio mundo, sem interagir socialmente. Além disso, há o conflito constante diante das situações e das possibilidades de escolha, o que a as leva a perder a capacidade de análise, de lidar com os fatos do dia-a-dia, o as leva a uma paralização.
A sensação constante é de desamparo, de uma incerteza diante de tudo, de não saber o que fazer, pra “que lado” ir, que partido tomar. A pessoa não consegue agir diante da liberdade de fazer escolhas, determinar caminhos e renunciar ao que for necessário.

Como Identificar a Angústia?

A angústia, como doença, deve ser identificada e tratada por um especialista, pois só ele poderá distingui-la de outras doenças similares e orientar quanto ao melhor tratamento em cada caso específico.
O que o paciente pode, e deve, fazer é  demonstrar claramente, sem receios, como se sente, e com o máximo de detalhes possível.
É importante que a pessoa procure ajuda tão logo comece a sentir os primeiros sintomas da doenças, mesmo que ela não saiba exatamente do que se trata. Muitas vezes a pessoa passa meses, até anos, com uma angústia latente e não procura ajuda por não saber que isso é uma doença ou por não saber do que, afinal, se trata.
São muitos os casos em que a pessoa só procura ajuda quando os sintomas físicos, como peso no peito e dor na região do tórax, passam a ser insuportáveis. Nesses casos, confunde-se a angústia com  problemas cardíacos, e é comum a pessoa imaginar que está tendo um ataque cardíaco. Só que na grande maioria dos casos não se trata de problemas cardiológicos, e após isso ser constatado em exames específicos, o paciente precisa ser encaminhado para um especialista, mas isso só acontece quando a pessoa relata a sensação de angústia, de “prisão dentro de si mesmo” e de nervosismo constante.

Procure Ajuda!

Quando, apesar dos sintomas físicos, nenhuma doença física é encontrada, é hora de procurar ajuda especializada, ou seja, ajuda psiquiátrica.
Aqui reside um grande problema, pois o preconceito em relação a psiquiatria ainda existe, e são muitas as pessoas que ainda encaram o psiquiatra como “médico de loucos”. Uma bobagem, claro!
É o psiquiatra quem poderá dizer qual é, afinal, o real problema e indicar o melhor tratamento.
Como a angústia, acreditam muitos, está relacionada a uma maior ativação da ínsula, uma região do córtex cerebral, ela tende a responder bem ao tratamento feito com antidepressivos tricíclicos, aos benzodiazepínicos e a alguns tipos de antipsicóticos.
Um medicamento bastante utilizado nesses casos é a imipramina, uma droga que age modulando alguns neurotransmissores que controlam as emoções humanas.
Além do tratamento medicamentoso, é indicado, também, o apoio psicológico e a terapia, que ajudam no reconhecimento, desenvolvimento e controle das emoções.

Fonte:  patricinhaesperta.com.br


Alguns dos sintomas de angústia incluem:
  • Dor no peito e na garganta, com sensação de aperto;
  • Batimentos do coração rápidos e descontrolados;
  • Sensação de sufocamento, com dificuldade em respirar;
  • Inquietação e desassossego constante;
  • Dor de cabeça permanente;
  • Pensamentos negativos;
  • Ataques de ansiedade

Seja uma pessoa Melhor...Augusto Cury..



Que você seja um grande empreendedor. Quando empreender, não tenha medo de falhar. Quando falhar, não tenha receio de chorar. Quando chorar, repense a sua vida, mas não recue. Dê sempre uma nova chance para si mesmo.

Encontre um oásis em seu deserto. Os perdedores vêem os raios. Os vencedores vêem a chuva e a oportunidade de cultivar. Os perdedores paralisam-se diante das perdas e dos fracassos. Os vencedores começam tudo de novo.

Saiba que o maior carrasco do ser humano é ele mesmo. Não seja escravo dos seus pensamentos negativos. Liberte-se da pior prisão do mundo: o cárcere da emoção. O destino raramente é inevitável, mas sim uma escolha. Escolha ser um ser humano consciente, livre e inteligente.

Sua vida é mais importante do que todo o ouro do mundo. Mais bela que as estrelas: obra-prima do Autor da vida. Apesar dos seus defeitos, você não é um número na multidão. Ninguém é igual a você no palco da vida. Você é um ser humano insubstituível.

Jamais desista das pessoas que ama. Jamais desista de ser feliz. Lute sempre pelos seus sonhos. Seja profundamente apaixonado pela vida. Pois a vida é um espetáculo imperdível.

Tema Viagem. Imagens de tema por Galeries. Tecnologia do Blogger.

Pesquisar este blog